Blog

Dicas de resoluções interessantes para 2017

31/1/2017

No final do ano passado, vi várias pessoas compartilhando imagens com escritos abaixo:

 

Resoluções de ano novo:
2014 - Emagrecer
2015 - Emagrecer
2016 - Emagrecer - agora vai!
2017 - FAZER AS PAZES COMIGO E COM A COMIDA

 

Porém, li inúmeros relatos dizendo que as pessoas que compartilhavam os inscritos acima eram fracas e simplesmente haviam desistido desse grande objetivo mundial e supremo que é emagrecer. 

 

Confesso que fico triste com a humanidade quando leio comentários como esse. Primeiro, porque qual é a necessidade de ficar rindo das outras pessoas e as chamando de fracassadas? Ta aí algo difícil de entender. E em segundo, porque, na minha visão, quem tomou essa decisão de fazer essa resolução diferente não é nada fracassado, pelo contrário, é muito sábio.

 

Sim, envolve sabedoria, cuidado de si mesmo e coragem para mudar os caminhos quando percebemos que os resultados não chegam. É aquela velha história: enquanto realizarmos as mesmas ações, vamos ter os mesmos resultados. 

 

É preciso parar e se perguntar: por que, ano após ano, eu não consigo aquilo que almeijo para aquele ano? Talvez seja hora de começar a observar que as contínuas resoluções de emagrecer foram frustradas pelo simples fato que emagrecer NÃO é uma meta, e não funciona por aquela fácil e simples fórmula fechar-a-boca-e-malhar que conhecemos.

 

E sim, em pleno 2017, já é hora de começarmos a prestar atenção no que estudos têm dito há mais de 30 anos (e nossa experiência a vida toda): fazer dietas NÃO funciona. As dietas restritivas e proibitivas são vistas pelo seu corpo como uma agressão, e por isso nosso organismo vai tentar se proteger por meio de alterações bioquímicas, psicológicas e sociais, que, adivinhem, a longo prazo promovem o reganho de peso (que pro nosso corpo é a recuperação do equilíbrio). E é por isso que de 95 a 98% das pessoas que fazem uma dieta não conseguem manter o peso, e acabam o encontrando de novo (você pode ler e assistir a vídeos sobre o assunto aqui). E é por isso que o autor finlandês Pietiläinen, em 2012, comprovado pelo seu estudo com gêmeos idêntivos, colocou que as dietas podem ser, em parte, responsáveis pelo aumento da obesidade.

 

E agora fica a pergunta que não quer calar: SERÁ QUE ESTAMOS GANHANDO PESO POR ESTARMOS CONTINUAMENTE FAZENDO RESOLUÇÕES DE EMAGRECER?  :O

 

Por isso, meu querido leitor, se você decidiu por fazer uma resolução diferenciada nesse ano que inicia, trocando aquela velha "emagrecer" pela nova "ficar de bem com meu prato", eu te digo agora: você NÃO é fracassado. Você está executando um ato de amor e cuidado para o seu corpo.

 

Seguem, então, abaixo, 6 novas ideias de resoluções mais interessantes para 2017:

 

 

Como assim? Você deve estar se perguntando...

 

Um importante e gravíssimo reflexo dos nossos padrões de beleza é a ideia de que a magreza – ou a beleza – está atrelada à felicidade. Acreditamos que ao alcançarmos o corpo perfeito, seremos felizes – e que nossa vida vai melhorar bruscamente.
E, assim, gastamos umas boas horas do dia pensando em comida, corpo, dieta e exercício físico, vendo fotos no instagram de pessoas que demonstram ter o tão almejado corpo, buscando novas estratégias para chegar no corpo dos sonhos... Em meio a tudo isso, começamos a colocar nossa vida numa espera...

 

Pensa comigo: quantas vezes você se levou pelo pensamento:
“Eu só irei à praia quando eu perder essa barriga”;
“Fulano só vai gostar de mim quando eu emagrecer”;
“Minha carreira vai melhorar se eu for mais bonita”;
“Quando eu emagrecer, vou poder usar certas roupas”;
“Quando eu emagrecer, vou arranjar um namorado”;
“Quando eu emagrecer, vou fazer uma viagem”;
“Quando eu emagrecer, vou planejar meu casamento”;
Quando eu emagrecer... Quando eu emagrecer... Quando eu emagrecer...

 

Você tem pensamentos assim? 

É importante parar para refletir: será mesmo que se você emagrecer, se você tiver o corpo dos sonhos, sua vida melhorará? Aquela promoção no emprego, aquela viagem dos sonhos, aquele relacionamento perfeito... tudo isso virá junto? E seus problemas, desaparecerão? Será mesmo? Será que essa obsessão e busca desenfreada por um corpo perfeito não está tomando uma parte muito grande da sua vida? Será que você não está deixando de viver momentos lindos e incríveis por estar ocupado demais com esses pensamentos? Será que você não está colocando sua vida em um stand by, esperando alcançar o tão almeijado emagrecimento para aí então realizar seus sonhos e desejos? Será que você não está deixando a sua vida na espera?

 

E se você usasse canalizar essa energia que você usa para atingir o corpo perfeito na busca pelo auto conhecimento, na busca por respeitar o corpo, no investimento em novas habilidades, no aprendizado de uma atividade diferente, estudando coisas novas, melhorando algumas aptidões... não seria isso que lhe traria novas oportunidades? Que tal construir uma nova resolução em cima disso?

 

 

 

Uma outra importantíssima resolução que você pode fazer neste ano é cultivar mais amor próprio.

 

Pois é, estamos vivendo uma era em que - na minha opinião - a falta de amor próprio é um dos maiores problemas de saúde pública. Segundo uma colega psicóloga, uma população com baixa auto estima pode ser a base dos principais problemas da sociedade.

 

Vocês já perceberam como temos dificuldade de nos auto elogiar? E como o auto elogio, muitas vezes, é interpretado de maneira negativa pelas outras pessoas? E já perceberam também como nós também temos dificuldades em receber elogios? Sempre respondemos com um “imagina, impressão sua...”
.
Pois é, nós somos incentivados desde cedo a estarmos insatisfeitos conosco mesmos. Não somos bons o suficiente, não somos bonitos o suficiente – e precisamos continuar batalhando até chegar num padrão aceitável.

Infelizmente, nós aprendemos desde cedo a almejar vários padrões, e, dentro eles, os padrões de beleza. Mas e se eu te contar que as estimativas demonstram que as mulheres caucasianas, magras e longilíneas (que caracterizam o nosso padrão de beleza atual) representam cerca de 2% da população feminina mundial e 90% das mulheres na televisão...? Há algo errado aqui, certo? 

 

Acabamos utilizando esses padrões de beleza como “óculos”, e, muitas vezes, acabamos deixando de notar muitas belezas que existem por aí, inclusive em nós mesmos! Assim, vivemos insatisfeitos conosco mesmos, e estamos constantemente buscando mudar nossa aparência. E essa insatisfação aumenta quando somos incentivados a acreditar que não só somos feios se não nos encaixamos nesse padrão, como também somos fracos, preguiçosos e indisciplinados... o que não é verdade!

 

Nossas características únicas e nossas marcas são vistas como feias, porque destoam, e nós desesperadamente buscamos maneira de contorna-las. Acabamos odiando nossos próprios corpos, e criando uma guerra contra ele. Mas a verdade é que nosso corpo conta uma história. Cada corpo conta sua história. Suas características únicas, suas marcas, seu peso são características que contam uma história. Refletem situações às vezes boas, às vezes ruins; refletem seu crescimento, suas vitórias; fazem parte de quem você é hoje. Aceitar seu corpo por isso é um ato de amor, de respeito. 

 

Mas é interessante ressaltar que aceitar e respeitar o seu corpo não é simplesmente desistir de tudo e deixar tudo como está. Não é se acomodar! Se aceitar é se amar, independentemente de peso ou forma corporal. É admitir a sabedoria do seu corpo, e admirá-lo! Aceitar e respeitar o corpo é amá-lo e tratá-lo com carinho! É colocar o foco no cuidado, no amor! O aceitar é o primeiro passo para o mudar!

 

Vamos cultivar mais admiração, respeito e amor por nós mesmos nesse ano?

 

 

 

A nossa terceira resolução para este lindo ano que se inicia é: fazer as pazes com a comida! Que tal parar a guerra com a comida, e fazer as pazes com todos os alimentos? 

 

Classificar os alimentos em bons/ruins, vilões/mocinhos, saudáveis/não saudáveis não é interessante, e só aumenta seu desejo por estes alimentos vilanizados! 

A privação e proibição daqueles alimentos que você considera "vilões" pode fazer com que você desenvolva desejos e obsessões fisiológicas e psicológicas por estes. Isto é, quando você cria julgamentos e proibições sobre um alimento ('este alimento é ruim, melhor não comê-lo, vou evitá-lo'), você cria em você sentimentos de privação que fazem com que você acabe supervalorizando este alimento e consequentemente desejos e obsessões por ele! E quando você inevitavelmente acaba comendo este alimento, você pode acabar o comendo de excesso (sabe aquele pensamento "só hoje, nunca mais"?) e tendo sentimentos de culpa e vergonha. E em seguida começa a restringir este alimento de novo, e entra em um ciclo! Que não acaba nunca :( - É restringir, não aguentar e comer em excesso, sentir culpa e voltar a restringir :(

 

A chave para fazer as pazes de vez com a alimentação e abandonar toda mentalidade da dieta, toda privação e todo julgamento com as comidas é se dar permissão incondicional para comer. É realmente fazer as pazes com todos os alimentos, e não se proibir de nada! 

 

E não, gente, não é papo de doido! Quando nos permitimos realmente comer tudo, acabamos tirando aquela valorização enorme dos alimentos proibidos e começamos a não ter mais aquele desejo desenfreado por eles! :D

 

"Mas se eu me der a permissão de comer tudo, eu não vou comer demais?” Não, não vai! O que faz com que comamos em excesso é viver no ciclo restrição - comer exagerado... Na verdade, esse comer demais é consequência da privação! Por exemplo, se eu nunca posso comer chocolate, no momento que eu puder ("só hoje"), posso acabar comendo-o em excesso. Verdade, né? Agora se eu realmente pudesse comer chocolate à vontade, todo dia, será que eu não ia enjoar? Será que eu não ia cansar? Começamos a nos habituar a ele, e passamos a ter um vínculo normal com ele :)

 

Ao confiar no seu corpo, ao respeitar sua fome e sua saciedade, e ao parar de restringir a alimentação, você conseguirá entrar em sintonia com seu corpo e comer conforme seu corpo e sua mente precisam! Mas vamos falar mais sobre isso na próxima resolução :)

 

 

 

E na nossa quarta resolução para este ano, vamos falar de algo que eu falo tanto que já me sinto uma vitrola quebrada hahaha. Vamos falar de confiar no nosso corpo para nos alimentar, e ouvi-lo.

 

Mas será mesmo que dá pra fazer isso? Bom... Vocês já perceberam como o corpo humano é perfeito? Tudo funciona com extrema maestria e sintonia. Temos processos e sistemas delicados, que são altamente coordenados, e tudo é muito bem controlado pela nossa mente. E nós estamos constantemente conectados com nosso corpo. Nós o ouvimos! Por exemplo, nosso corpo controla nossa necessidade de dormir, nos mandando o sinal do sono, nossa necessidade de ir ao banheiro, nos mandando esse sinal, nos avisa de que estamos doentes, ao mandar um sintoma... Então, parando para pensar, por que nosso corpo não controlaria a nossa alimentação, que é um processo tão importante?

 

Porque nós temos essa mentalidade de que precisamos controlar muito a nossa alimentação, que precisamos estar sempre vigiantes, sempre alertas daquilo que colocamos na nossa boca...? Será que é preciso tanto controle externo da alimentação?

 

Uma linda notícia é que todos nós nascemos sabendo comer, todos nós nascemos com um comedor intuitivo dentro da gente! E nós podemos recuperá-lo! E podemos começar esse processo prestando atenção a dois sinalzinhos que existem dentro da gente:

 

--> A fome é um sinalzinho muito importante que nosso corpo nos manda quando precisamos comer! É um sinal de que precisamos de combustível! Por isso, a fome é considerada o principal guia do QUANDO COMER. Comer de 3 em 3 horas, regras fixas, pular refeições, fazer jejuns: nada disso respeita o seu corpo e são mitos! Preste atenção à sua fome e mantenha seu corpo alimentado e nutrido. Não passe fome, não se prive de alimentos! Nosso corpo é sábio e perfeito, e se ele está te enviando um sinal de fome, é sinal de que ele precisa de alimento!

 

--> A saciedade é um outro sinal muito importante! É o sinal que nosso corpo nos manda quando nosso estômago já recebeu alimento em quantidade suficiente. É aquela sensação de estar confortavelmente cheio! O sinal da saciedade é o nosso principal guia do QUANTO COMER. Quando estiver comendo, cheque regularmente se você está ficando cheio. Perceba suas sensações enquanto o estômago é enchido de alimento. Uma importante dica é fazer uma pausa no meio da refeição e se perguntar se você está gostando da comida e se você está ficando cheio.

 

 

 

O prazer é muito importante na natureza! Seja no momento da alimentação, seja no exercício físico, seja na nossa vida em geral, o prazer promove a liberação de muitas coisas boas no nosso organismo, e melhora nossa qualidade de vida! 


Em relação à alimentaçao, o prazer - o sabor e a experiência vindos daquele alimento - é o principal requisito no momento da escolha alimentar (mesmo que vivamos sobre regras, os estudos mostram que, no final das contas, o prazer vindo de determinado alimento é o principal fator de escolha). Além disso, o prazer é também o maior mantenedor de hábitos!

 

Em relação ao prazer de comer, vamos falar sobre dois fatores:

 

--> O sentimento de satisfação:
Buscar a sensação de satisfação ao comer é imprescindível! Comer uma salada se você quer um bife não fará com que você se sinta satisfeito. Fica aquele sentimento de “não foi bem isso que eu queria...”, certo? E pare para pensar, quantas vezes você comeu uma fruta seca quando na verdade queria um chocolate? E quantas vezes, depois desta fruta seca, você acabou comendo várias coisas em busca da satisfação que o chocolate daria? Será que não teria sido mais fácil comer o chocolate? E na verdade, o sentimento de satisfação pode interferir – e muito – na maneira e na quantidade que você come! 
Por isso, escolher alimentos que respeitem aquilo que seu corpo está pedindo e assim te tragam satisfação é muito importante! E como falamos numa resolução anterior, quando fazemos as pazes com a comida, e tiramos a supervalorização de alimentos específicos, passamos a ouvir aquilo que o corpo precisa, o que caracteriza o nosso apetite, trazendo assim aquela sensação de "era bem isso que eu queria" ;D

 

--> O prazer no momento de comer:
Não é incomum que no consultório as pessoas digam "mas meu problema é que eu gosto de comer". Eu fico estarrecida! Queridos, gostar de comer não é jamais um problema, é o nosso natural! Perceba que prazer vindo do momento do comer é um presente para nós! Poderia ser uma função mecânica, e sem graça, como abastecer um carro de gasolina. Mas a proteção à nossa espécia fez com que essa atividade seja extremamente prazerosa. E isso é uma das 7 maravilhas do mundo, com certeza! Por isso, saboreie cada mordida, cada colherada, e agradeça por este presente que possuímos!

E que em 2017, o ato do comer possa ser cada vez mais prazeroso <3

 

 

 

A nossa última resolução para este ano está relacionada ao fortalecimento da sua intuição e da sua conexão consigo mesmo. 

 

Em algum momento, você já se perguntou “Quem sou eu?”. É uma pergunta complexa, certo? Mas você saberia responder: O que eu gosto, o que eu não gosto? Quais são minhas paixões, quais são meus sonhos? Como eu me sinto quando estou triste? Quando eu me sinto quando estou ansioso? Como meu corpo responde aos diferentes sentimentos? Como eu percebo minhas vontades, meus desejos?

 

Se conhecer não só um exercício maravilhoso, como uma ferramenta importante para ter mais qualidade de vida!
 

Primeiramente, se conhecendo, você incentiva esta conexão entre você e seu corpo, e consegue perceber melhor o que, quando e o quanto seu corpo precisa de alimento! Você começa a entender melhor também os vários sinais que seu corpo te manda, suas intuições, suas vontades. Você começa a ter consciência desta ligação entre seu corpo e mente. Você começa a perceber que você tem uma sabedoria interna muito grande, e que ela é extremamente preciosa. 

 

É interessante comentar que, ao se conhecer, você também consegue entender melhor os seus sentimentos, nomeá-los e trabalha-los! O famoso comer emocional, isto é, o hábito de "comer todas as nossas emoções", pode se tornar um problema está muito relacionado a esta não percepção e entendimento dos seus sentimentos. Ou seja, não sabemos lidar com asnossas emoções e descontamos sempre na comida. Por isso, entender "do que você realmente tem fome" pode ser muito importante no seu processo de melhorar sua relação com a comida e até mesmo a sua vida.

 

Além disso, o auto conhecimento é uma parte muito importante do processo de fortalecimento da auto estima. Como amar e apreciar quem você não conhece, certo? Se conhecer, entender seus anseios, seus desejos, sua essência, seus pontos de melhoria, seus pontos fortes e valiosos, você começará a conhecer quem você realmente é - e poderá se empoderar cada vez mais de si, se fortalecendo contra padrões que constantemente te dizem quem você deve ser e pra onde deve ir. É como coloca aquela velha frase: "Você lembra de quem você era antes do mundo te dizer como você deveria ser?".

 

 

 

 

Que esta postagem possa te ajudar a refletir sobre o que você quer para você nesse ano, e realmente espero que esse seu próximo ano seja lindo e de bem com seu prato <3

 

Please reload

Veja mais
Please reload