Blog

Saudável ou não saudável? Parte 2

No último post (parte 1 aqui!), eu trouxe uma reflexão sobre os determinantes que fazem um alimento ser "mais ou menos saudável". Muito preconceito e vilanização de alimentos com maiores teor de açúcar e gordura têm levado as pessoas a sentirem culpa e vergonha ao consumirem esses alimentos - ou pior, a se sentirem "não saudáveis". Só que como discutido no último post, a questão do "saudável" é muito mais profunda, e envolve muitos outros fatores que não devem ser desconsiderados. Se um alimento é "saudável" ou não pra você, isso é uma questão individual e particular, envolvendo questões como o nosso psicológico, o momento do seu dia, da sua vida, a frequência do consumo e as nossas preferências alimentares.

Bom, mas o que eu queria com esse post é complementar essa questão do "saudável" ou "não saudável". No outro post, eu comentei mais sobre alimentos considerados vilões, como chocolate, que por outra ótica podem ser considerados como saudáveis sim. Neste post eu trago alimentos considerados "saudáveis", ou melhor, superalimentos, mas que podem também não ser tão "saudáveis" assim...

Como vocês já devem ter visto por aí, alimentos como chia, goji berry e quinoa, considerados superalimentos, são tão bons mas tão bons que são disseminados como capazes de curar e prevenir inúmeras doenças. Uma matéria que tem circulado pela internet nessas últimas semanas, porém, parece colocar que esses superalimentos (super saudáveis, fitness, ricos em antioxidantes, blablabla) podem não ser tão super assim... (Dá uma olhadinha aqui: ‘Superalimentos’ podem desregular tireoide, irritar intestino e até causar câncer). Segundo a matéria, o consumo excessivo desses superalimentos pode levar a uma série de problemas involvendo tireóide, articulações, intestino, e até mesmo colaborar - ao invés de prevenir - com o câncer. Meu intento aqui não é defender ou derrubar a matéria. Não é dizer ou debater se ela está certa ou errada. Não é dizer que goji berry, quinoa e couve são ruins. É sim pedir que vocês reflitam um pouco sobre a quantidade de informações que temos recebido. Segundo a matéria, "pesquisadores constataram que, no ano passado, 61% das pessoas compraram alimentos ou bebidas porque tinham rótulos de superalimento". E quando um alimento passa a ser vilanizado, como o ovo (coitado!) em algumas décadas atrás, o consumo deste alimento diminui bruscamente! O que quero dizer é: precisamos refletir um pouco sobre as informações que recebemos! Não é porque uma notícia coloca que a goji berry é fenomenal, que devemos comê-la em todas as refeições do dia. Por outro lado, não é porque esta matéria traz que a couve pode trazer malefícios para o organismo que devemos evitá-la completamente! Como eu coloco no outro post, o importante é o equilíbrio. É conhecer o seu corpo, é estar bem consigo mesmo, a fim de saber quando e quanto ingerir de cada alimento, seja esse alimento um "vilão ou um mocinho". Ser saudável não é comer apenas o que divulgado por aí como "saudável". Ao receber informações a respeito de alimentos, principalmente pela internet, não entre em pânico logo e comece a cortar tudo - ou a comer tal alimento em excesso! Como faz a dona Hermínia aí embaixo hahaha

Busque conhecer seu corpo, restabelecer seu equilíbrio, e dar ao seu organismo - e a sua mente - aquilo que eles precisam! Não viva cheia de neuras como a dona Hermínia, não! Não devemos viver nossa vida focando nos alimentos, mas fazendo deles parte do nosso dia-a-dia! Os alimentos são nossos amigos e nos dão força para fazer tudo aquilo que gostamos! Crie e tenha prazer em comer, inclua alimentos que você gosta e varie bastante os alimentos, pra dar bastante nutriente pro organismo! Como mamãe dizia, fórmula pra ficar bem fortinho! Encontre seu equilíbrio, se aceite e viva a vida focando no que importa. Isso sim é ser saudável! :D

Veja mais